O contrário do amor não é o ódio

23 de janeiro de 2010

Quando sacrificamos animais, não é o ódio que nos move;
Quando somos ingratos com alguém que nos serviu e nos foi útil, não é o ódio que nos move;
Quando somos infiéis, não é o ódio que nos move;
Quando um homem estupra uma mulher indefesa, não é ó ódio que o move;
Quando um homem mantém relações sexuais com uma criança, não é o ódio que o move;
Quando um juiz condena alguém para fazer estatística, não é o ódio que o move;
Quando um policial assiste passivo à execução de um criminoso indefeso, não é o ódio que o move;
Quando um empresário/fazendeiro mantém trabalhador em condição análoga à de escravo, não é o ódio que o move;

O contrário do amor não é o ódio, mas a (absoluta) indiferença para com o outro.

 

Número de Visitas 173

22 Comentários

  1. Muito bom meu futuro professor, um dia espero esbarrar pelos corredores ou na sala de aula da faculdade com você, me ajudou até em um texto que estou construindo sobre liberdade e caos.

    abraços…

  2. Caro PQ,
    Não conhecia esta sua veia poética.
    Bravo!
    Aproveito o gancho e lhe envio um poema que fiz e coloquei na antessala do meu gabinete.

    JAZIGO
    Aqui jazem,
    juízes,
    jóias e o joio
    que sequer a morte pode separar.

    Um grande abraço
    Denival

  3. ROGÉRIO LIMA. disse…
    ¨O contrário do amor não é o ódio, mas a (absoluta) indiferença para com o outro.¨
    Tem horas que precisamos das palavras e frases como do ar que respiramos. Mas, de nada adianta se elas não forem aplicadas ao caso concreto, na resolução dos dilemas, agruras e sofrimento da pessoa humana. Felicíssimo, portanto, a reflexão do professor Paulo Queiroz no que se concerne a um sentimento tão desprezível como é o da indiferença. Se os meus estão bem, pouco importa o de outrem. Se não devo pouco importa se alguém escravizado com o juro do agiota aproveitador e insensível. Se o filho que está na UTI não é o nosso, pouco importa se o do outro irá resistir a tantos descuidados e desumanidades. Se tenho dinheiro e plano de saúde, pouco importa que a saúde pública se desmantele cada vez mais. Que o prefeito roube, que o vereador se venda, que o governador se locoplete com o erário, que juiz venda seu melhor entendimento por receio que tenha sua decisão reformada ou dependendo do caso, ratificada. Ou quem sabe que a troca mesmo pelo vil e tentador metal. É bom que ainda exista poucos corajosos, que possa dar sentido ao caráter de justeza que deve nortear a moral, sem mesmo precisar de normas ou regras feitas com fendas e tangentes preparadas, intencionalmente, para justificar a deliquência e a inumanidade de alguns.
    Parabéns a Paulo Queiroz e aplausos a Gerivaldo Neiva. Com certeza, ciosos pelo seus papéis na sociedade, da mesma forma de que são sabedores quanto a necessidade de realizar muito mais. Com maior efetividade e resultado.

    Rogério Lima ( Estudante de direito.).
    comentário postado em http://www.gerivaldoneiva.blogspot.com no dia 26/01/2010

  4. Como seria se tratarmos com indiferença aqueles politicos indiferentes com a sociedade? Eles não seriam ms eleitos, não dariam panetones mas infelizmente os indiferentes violam paineis e assim não são tratados com quão indiferença.

    Vinicius Tanan

  5. Belo texto!
    Realmente, você está em boa companhia. George Bernard Shaw compartilha da mesma idéia:
    “The worst sin toward our fellow creatures is not to hate them, but to be indifferent to them: that’s the essence of inhumanity”.

    “O maior pecado para com os nossos semelhantes não consiste em odiá-los, mas sim em tratá-los com indiferença: tal é a essência da desumanidade. (tradução livre)”
    George Bernard Shaw
    Abraço, André

  6. Algo semelhante é dito por Zaratustra:

    “E não é para quem detestamos que somos os mais injustos, mas para aquele que nos é completamente indiferente”.

  7. Legal! Ótimo texto. Guarda semelhança com as imortais palavras do Nobel da Paz (1986), sobrevivente dos campos de concentração nazistas, o escritor judeu, nascido na Romênia, Elie Wiesel que disse:
    “O oposto do amor não é nenhum ódio, é a indiferença. O oposto de arte não é a feiúra, é a indiferença. O oposto de fé não é nenhuma heresia, é a indiferença. E o oposto da vida não é a morte, é a indiferença.”
    Abraços

  8. Sabe… , existem pessoas assim: que para elas td é indiferente, eles conquistam o poder, obtem vitórias, glamour, sucessos, e infelizmente anos de glórias. Muitos deles são frios, calculistas só pensam em si, e sempre querem levar vantagens em td, q para conquistar o mundo agem com indiferença pq assim será mais fácil chegar lá. Se o amor é q nos une, nos fazem melhores q somos, e que se é dando q se recebe, como pode predominar a indiferença se dizem q o amor nasce do ódio muitas vezes.
    Ser indiferente é simplesmente ser contrário aos principios e ao amor dos homens.
    Valeu!

  9. Muito ineterssante. Pesquisando sobre a nova lei sobre a dignidade sexual, cheguei nesse site. Que beleza!!!! Difícil encontrar pessoas assim, completas, competentes e sensíveis. Parabéns!!!

  10. Olá, Dr. Paulo Queiroz.
    Conheci este seu texto atraves do blog de um amigo.
    Confesso que o primeiro sentimento que tive ao ler o texto foi chocante.
    No primeiro momento considerei suas palavras muito duras, secas e ate mesmo cruéis. Como considero este meu amigo muito inteligente e sensato, pensei que ele pudesse estar louco ao dizer que corroborava com suas ideias e que tinha gostado muito do texto.
    Li este texto a uma semana mais ou menos, e uma profunda inquietação tomou conta do meu coração.
    Pensei em escrever no blog do meu amigo, mas como o texto nao é dele talvez ele nao saberia me explicar o porque do uso de palavras tão fortes para demonstrar o que significado do contrario da palavra amor.
    Não sei se vejo o contrario do amor como a indiferença absoluta.
    Mas hoje consegui entender o sentimento que este texto gerou em meu coração. E tambem o quanto estou presa em mim mesma, e que nao sou diferente das pessoas citadas no texto.
    Vivo a indeferença absoluta na realidade em que vivo, e pode ter a certeza que isso é uma das coisas que mais me doem. Pois acredito nos seres humanos e tambem que o mundo so pode ser transformado a partir do momento que o amor estiver presente na vida das pessoas.
    Pra mim o sentido real do amor é ter Deus, é cuidar dos outros e com certeza nao ser indiferente a nada, por menor que seja.
    Um grande abraço.
    Roberta M.

  11. BOA TARDE,

    QUE BOM QUE EXISTEM PESSOAS TÃO INSPIRADAS ( E INSPIRADORAS) QUE NOS AJUDAM A PENSAR NA VIDA TÃO DIFÍCIL!!!!!!

    PARABÉNS!!!!

    ANA CRISTINA DERANI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *