Nietzsche e a verdade: citações

21 de julho de 2009

Verdade, portanto, não é algo que existisse e que se houvesse de encontrar, de descobrir – mas algo que se há de criar e que dá o nome a um processo;

Verdade”: no interior de minha maneira de pensar, essa palavra não designa necessariamente uma oposição ao erro, mas, sim, nos casos mais fundamentais, somente uma posição de diferentes erros;

Todo conhecimento humano é ou experiência ou matemática;

O critério da verdade está no incremento do sentimento de poder;

Parmênides disse: “não se pensa o que não é” – estamos na outra extremidade e dizemos: “o que pode ser pensado há de ser, seguramente, uma ficção”;

Uma “coisa em si” é tão absurda quanto um “sentido em si”, um “significado em si”. Não há nenhum “fato em si”, mas antes um sentido há de sempre ser primeiramente intrometido para que um fato possa haver;

Infinita possibilidade de interpretação do mundo: cada interpretação é um sintoma de crescimento ou de declínio;

Nós criamos o mundo que tem valor!

Não há nenhum fato; tudo é fluído, inconcebível, esquivo;

Afinal, o homem só reencontra, nas coisas, aquilo que ele mesmo fincou nelas: – o reencontrar chama-se ciência, o fincar – arte, religião, orgulho. Em ambos, se isso devesse ser mesmo brincadeira de criança, dever-se-ia continuar a ter bom ânimo para os dois – uns para o reencontrar, outros – nós todos! – para o fincar!

Imprimir no devir o caráter de ser – essa é a mais elevada vontade de poder;

Conhecimento em si no devir é impossível; é, portanto, possível conhecimento? Como erro sobre si mesmo, como vontade de poder, como vontade de ilusão;

Verdade é o tipo de erro sem o qual uma espécie de seres vivos não poderia viver. O valor para a vida decide em última instância;

O não-poder-contradizer prova uma incapacidade, não uma “verdade”.

 

Extraídas de “A vontade de poder”. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

 

Número de Visitas 888

18 Comentários

  1. A única verdade é a realidade. Por essa razão, a verdade nunca é absoluta porque espelha a realidade que por sua vez é impossível de conhecer na sua total complexidade.
    A verdade absoluta(realidade) seria algo como um diamante lapidado: podemos ver-lhe várias faces de um certo ângulo mas é impossível ver-lhe todas as faces simultaneamente. A realidade está constantemente em mutação, essa mutação processa-se em um ritmo cada vez mais rápido o que torna a realidade cada vez mais complexa.

  2. A alessandra substitui uma palavra (verdade) por outra (realidade: o que é realidade?), isto é, um conceito por outro, e crê que, com esse jogo de palavras, terá resolvido o problema (da verdade) posto pela filosofia desde Platão e o anti-platão (Nietzsche). Nietzsche não seria sequer um filosófico se o problema pudesse ser resolvido em termos tão simples.

  3. Só mais uma coisa: a frase “a única verdada é a realidade” é uma tautologia, que equivale a dizer: “a única verdade é a verdade” ou, invertendo, “a única realidade é a verdade”.

  4. Eu crescentaria que a filosofia de Nietzsche é conhecida como “perspectivística” justamente por entender que sobre um mesmo objeto é possível um universo infinito de interpretações, conforme o olhar/perspectiva do intérprete, que pode ser o mesmo, inclusive.

  5. Queridas “colegas”,o que eu escrevi foi o meu pensamento, eu nunca estudei filosofia, a minha filosofia é a vida,pouco me importa o que os filósofos pensam eu quero é escrever,não estou aqui como catedrática, estou como uma jovem de 29 anos que além de amar a vida adora assistir as acôes dos outros ,principalmente quando nessas açÕes a disputa é por quem sabe mais e por quem critica mais o jeito de ser dos outros. Apesar de não ser FILOSOFISTA(rs), gostaria que as “colegas” procurassem adquirir o livro VIVENDO A FILOSOFIA(Gabriel Chalita), será de grande utilidade para vcs.

  6. “Verdade é o tipo de erro sem o qual uma espécie de seres vivos não poderia viver. O valor para a vida decide em última instância;” Recomento a leitura do § 110 e 111 da Gaia Ciencia. A Verdade é um mero valor que atribuimos às coisas. Precisamos valorar as coisas para podermos nos guiar no mundo, a sobrevivencia do organismo. A verdade não existe nelas (nas coisas), não passa de uma atribuição de valor.

  7. O ser que se forma em nossa imaginação é diverso daquele que entendemos ser a realidade e de onde pensamos extrair a verdade. Destarte, talvez, seja mais fácil e simples dizer como Cristo: “eu sou a verdade”. Com isso, a verdade estará em mim, fui eu quem a criei, mas com um grande problema, criei para mim. Aos outros, tal verdade poderá existir como nada, ou seja, ser opaca, invisível.

  8. “TODO AQUELE QUE SE DIZ EVANGÉLICO E CRÊ NESTE MONTE DE BABOZEIRAS QUE SÃO IMPOSTAS PELO HOMEM, E AFIRMAM NA MAIOR CARA DE PAU QUE É OS MANDAMENTO DE CRISTO…A TODOS SINTO PENA, POIS DEIXAM DE VIVER ESTA VIDA A ESPERA DE UMA PRÓXIMA…TODOS, SEM EXCESSÃO, SÃO OS MAIORES HIPÓCRITAS QUE JÁ CONHECI.
    POR ISSO AMO FILOSOFIA, POIS NOS FAZ PENSAR ATRAVÉZ DA RAZÃO, SIMPLISMENTE RAZÃO!!!

  9. A noçao de verdade que temos sao impostas a nós pelos nossos pais, pelo cristianismo, pelo Estado, e por uma merda de Constituiçao(que nao é nem um pouco respeitada por quem mais deveria ser:os politicos corruptos, entao a verdade é simplesmente construida(cozida) e colocada a mesa, enfia-la nos goela abaixo e somos obrigados a engolir
    FALANDO DE RELIGIAO:
    O filosofo não arquitetou um projeto para matar Deus, mas já o encontrou morto na alma do seu tempo. Para ele a mensagem que Cristo transmitiu foi não a fé e sim a obra porem os “cristãos” traiu-a, e depois disso a historia do cristianismo não foi nada mais do que um ledo engano, centrado no poder, nas verdades mentirosas e na corrupção, baseado numa idéia de castigo por erros que o ser humano cometa (inferno x céu), então tudo que leva o nome de cristão nega Cristo e mata Deus…

  10. Oi querida Andréa, linda, amorzinho. Vá aprender a escrever corretamente, primeiro. Em seguida, aprenda a argumentar sobre suas ideias. Aí sim, você poderá se dizer amante da Filosofia. Ah… Não se esqueça de deixar de ser bitolada! ;)
    P.S.: Não existe essa coisa de “simplesmente razão”, gatinha. Da mesma forma que a ciência não explica a origem da vida por si só.

  11. diante de tudo que foi dito o que posso afirmar é que existe varias verdades, e que nenhuma é absoluta. a minha verdade é aquilo que me conduz, a sua verdade talvez não sirva para mim. quem dita as cartas é que constroi a verdade. e assim seguimos esse relativismo total. o homem não tem resposta para homem.

  12. Eu me impressiono com o delírio de certos filósofos e seguidores.

    Que a capacidade de apreender a realidade é limitada, disso não se tem mais dúvida. Mas, dizer que a verdade é apenas um valor, ou que ela não existe, ou que cada um possui a sua própria verdade, é a maior asneira que se pode ler.

    Qualquer um de nós que pegar um revólver, apontar para a cabeça, atirar e a bala perfurar o cérebro, vai morrer. Isso é uma verdade. Ou será que essa verdade não existe? Ou será que se trata apenas de um valor? Ou será que essa relação de causa e efeito dependerá da verdade de cada um?

  13. O conceito que as pessoas que comentaram acima se referem, sobre a realidade ser uma verdade, pode ser considerada válida também. Mas pensaremos de uma forma diferente. A matemática uma forma que o ser humano encontrou para expressar a realidade. Se você considera um dos axiomas mais conhecido, o que diz que: se tenho que 3 = 3 , qualquer número que eu adicionar em ambos os lados resultará em uma outra igualdade, ou seja, existem verdades absolutas.

  14. O conceito que as pessoas que comentaram acima se referem, sobre a realidade ser uma verdade, pode ser considerada válida também. Mas pensaremos de uma forma diferente. A matemática uma forma que o ser humano encontrou para expressar a realidade. Se você considera um dos axiomas mais conhecido, o que diz que: se tenho que 3 = 3 , qualquer número que eu adicionar em ambos os lados resultará em uma outra igualdade, ou seja, existem verdades absolutas.
    Logo, provamos mais uma vez através da matemática, a existência de verdades absolutas, assim, como há outras.

  15. O interessante é que logo que termina a sentença: “não há uma verdade absoluta”, logo se pode indagar: você crê absolutamente nisso? É interessantíssimo dizer que quando Nietszche termina a sua definição: “Verdade é o tipo de erro sem o qual uma espécie de seres vivos não poderia viver”, logo muitos se apropriam desta definição (nem percebendo que é um definição – se é que sabem) como se fosse a mais alta verdade do universo, e saem pregando apostólicamente isso como um dogma sacrossanto. O que os apóstolos de Nietzsche – e o próprio Nietszche – fazem é irônico, contraditório paranoico e, acima de tudo, cômico: afirmam o que negam em menos de um segundo.

  16. O interessante é que logo que termina a sentença: “não há uma verdade absoluta”, logo se pode indagar: você crê absolutamente nisso? É interessantíssimo dizer que quando Nietszche termina a sua definição: “Verdade é o tipo de erro sem o qual uma espécie de seres vivos não poderia viver”, logo muitos se apropriam desta definição (nem percebendo que é um definição – se é que sabem) como se fosse a mais alta verdade do universo, e saem pregando apostólicamente isso como um dogma sacrossanto. Na frase a cima, nem mesmo Nietszche deseja deixar alguma espécie de verdade – caso contrário, o que é que ele desejaria fazer publicando todos os seus livros? Seria insano pensar que ele não desejasse transmitir absolutamente nada com tudo isso; nem uma mensagem na qual ele falando, os seus leitores não poderia estar, ao menos uma informação, compreendendo. O que os apóstolos de Nietzsche – e o próprio Nietszche – fazem é contraditório, paranóico e, acima de tudo, cômico: afirmam o que negam em menos de um segundo.

  17. “Verdade é o tipo de erro sem o qual uma espécie de seres vivos não poderia viver. O valor para a vida decide em última instância;
    O não-poder-contradizer prova uma incapacidade, não uma “verdade”.”

    – Quando se fala de ‘verdade” não é o que venha a ser a verdade individual; verdade individual se denomina opinião. A “Verdade” de que trata Nietzsche é a verdade absoluta, universal, una com base no mundo das ideias, onde o que é verdade, bem, belo, perfeito está no mundo inteligível, em algo Supremo alicerçado sob uma crença no divino, e que o que se encontra neste mundo sensível que não esteja em harmonia com a crença no divino não é belo, não é bom, não é perfeito.

    Na frase acima, diante do “pensamento nitzschiano”, o que propôs o filósofo diante da não comprovação de uma verdade absoluta ( o que é a verdade? para que serve a verdade? qual o valor da verdade?) de modo que historicamente se comprova que a verdade muda com o tempo, de acordo com a cultura histórico-social de cada ser, onde a realidade está em constante mudança, e aquilo que era verdade ontem já não o é mais hoje, ou a verdade de hoje pode não ser a verdade de amanhã, ou a minha verdade pode não ser a sua verdade, de modo que a verdade é aquilo que se comprova ser verdade.

    Então, o que ele propõe com a negação de uma verdade absoluta seria, ao contrário de viver sob uma crença desmedida em busca da verdade, viver a própria realidade; pois somente a vida, a existência possui valor em si mesma…uma verdade com base no inteligível para o filósofo é apenas suposição/uma falsa verdade, o que se pode constatar é o viver agora. Para Nietzsche o homem é quem deve dar sentido a própria existência, e não buscar justificativas no inteligível para aquilo que ele mesmo causou com seus próprios atos, por sua própria decisão. Belo ou feio, bom e mal são apenas conceitos, assim como verdade ou inverdade, certo ou errado. Não é culpa de Deus os erros ou acertos, mas sim do próprio homem, de suas próprias ações. A partir da vontade de potência afirmar a efetivação da capacidade de criar seus próprios valores, valores reais com base na própria existência, sem verdade absoluta, sem crenças nem suposições.

    Portanto, para Nietzsche, a verdade é aquilo que se vive na realidade e não o que se imagina no mundo das ideias platônico-cristãs. Deste modo, criar seus próprios valores dando sentido a sua própria existência. O valor de verdade, o conceito de verdade, a crença numa verdade absoluta leva o homem a decadência e ao niilismo; deste modo tudo o que o homem faz o leva a nada, pois se a verdade está no inteligível, numa crença, qual o sentido da existência humana? É esta liberdade que se busca, de modo a levar o homem a dar sentido a própria existência que Nietzsche propõe em seu pensamento.

    Reitero que esta é a justificativa sobre o entendimento ao pensamento de Nietzsche. O que pensa cada um é uma questão de opinião individual a qual não tomo partido, apenas justifico a questão de “Verdade” pelo fato de ser uma estudante de filosofia, e não por ser seguidora desta ou daquela corrente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *