Aforismos

1 de fevereiro de 2013

Existem dois tipos de autor: os que têm e os que não têm o que dizer. Encontrar os que têm o que dizer é trabalho de garimpeiro.

Um bom livro não depende da qualidade nem da quantidade de textos e autores citados, mas de como os utiliza.

O modo como se conta uma história é mais importante do que a história mesma. O mesmo vale para música etc.

Com a idade o que ganhamos em experiência perdemos em criatividade.

Trecho de um depoimento judicial: “Ele é um homem extremamente generoso, honesto, excelente pai, filho e esposo” – disse a testemunha a propósito de um criminoso reincidente. E não mentia.

A vida é mais fácil quando se é superficial.

Nenhuma virtude é louvável em si mesma; nenhum vício ou pecado é em si mesmo condenável; tudo depende de como lidamos com isso.

Amar é encontrar a si mesmo no outro.

Pessoas que amam são pessoas perigosas.

Não existem ações absolutamente desinteressadas; desejamos, ao menos, um mínimo de gratidão.

A monogamia é uma violência.

Disse o amante: “te amo, te amo, te amo, incondicionalmente; e completou: “claro, desde que continues assim”.

Conhecimento produz angústia; por isso preferimos, não raro, a ignorância.

Promete ser fiel e amá-lo para todo o sempre, na riqueza, na pobreza, na doença?”, “Não, padre; tenho horror à mentira”, disse a noiva.

O amor tudo perdoa; a traição, inclusive.

O preconceito, como a ingratidão, é um déficit de afetividade.

Devemos amar (ou odiar) as pessoas honestamente, isto é, como elas são, não como gostaríamos que elas fossem.

Eu só quero a paz, a justiça e um mundo sem violência!”, gritou o terrorista antes de detonar a bomba.

E como o leão, capturado em plena selva, era bravo, para domesticá-lo, arrancaram-lhe os dentes e unhas; e o acorrentaram e o torturaram; e assim o animal se tornou bom e manso. Os penalistas chamam isso de ressocialização.

Somos todos iguais”, diz a lei; “Não! Mil vezes não!”, protesta a natureza.

Existem mil formas de trair alguém; o sexo não é a única nem a mais importante.

Justiça e vingança designam o mesmo sentimento.

O contrário da vingança não é a justiça, mas o perdão.

Definição de filósofo: a mais presunçosa criatura humana, pois pretende tudo reduzir a conceitos: verdade, vontade, representação, ser, substância, mônada, espírito absoluto etc.

Filósofos são, em geral, maus escritores.

Tudo que os homens dizem sobre os deuses, a favor ou contra, é arbitrário e inevitavelmente antropomórfico.

Se existissem deuses, a crença divina não seria uma alternativa, mas uma necessidade, como o batimento cardíaco ou a respiração.

Não existem fenômenos religiosos, mas apenas uma interpretação religiosa dos fenômenos (Nietzsche revisto).

Um chimpanzé me confidenciou que seus deuses têm a forma de chimpanzés e são incrivelmente poderosos. O mesmo foi-me dito por um babuíno, um cão e um gato.

Um porco me confessou que tinha horror à religião humana, pois sempre fora tratado como um cachorro.

Foi Deus que, na sua infinita misericórdia, me salvou desse terrível acidente”, disse o primeiro sobrevivente; “seria muita pretensão da minha parte que Deus, para me salvar, tivesse de sacrificar tanta gente inocente”, retrucou o segundo.

Falar com Deus é a expressão máxima de vaidade.

Religião é mitologia do presente; mitologia é religião do passado.

Quão deprimente é ver um pastor afrodescendente profanar as religiões africanas!

A religiosidade (ou sua ausência), por si só, não faz ninguém melhor nem pior.

Porque fomos criados à imagem e semelhança de Deus”, disse o homem; “quanta presunção!”, sibilou a serpente.

Disse um cristão: “só há um Deus: Jesus Cristo!”; ao que um muçulmano retrucou: “realmente só há um Deus; mas esse Deus é Alah, e Maomé é seu profeta!”; enquanto um judeu pensava consigo mesmo: “nosso Deus é mais antigo”. E todos tinham e não tinham razão.

A fé em Deus prova a fé mesma, não a existência de Deus. E ainda que a fé provasse a existência de Deus, restaria a pergunta: qual Deus (ou Deuses)?

Um anjo me confidenciou que, depois de condenado, Lúcifer, arrependido, invocou Mateus 18:22 – em que Jesus diz a Pedro que não se deve perdoar sete vezes, mas setenta vezes sete – e que Deus o perdoara. O perdão, no entanto, foi desde então mantido em segredo, pois, sem o Diabo, ninguém O levaria a sério. Além do mais, uma boa fábula não tem a menor graça sem um vilão digno desse nome. O mesmo teria ocorrido com Adão e Eva.

Frequentemente, o “amar o próximo como a ti mesmo” não inclui as pessoas muito próximas, sobretudo quando não compartilham do mesmo credo.

Número de Visitas 148

4 Comentários

  1. Oi Paulo, tudo bem?
    Quem escreve é o amigo André Vinicius.
    Os aforismos são muito interessantes. Se me permite, irei citar um trecho de uma obra recente que estou lendo, e que achei bem pertinente:
    “Em um mundo composto no mínimo por cinco sextos de patifes, de loucos e de imbecis, cada um daqueles que pertence ao sexto restante deve adotar como regra de conduta retirar-se para bem longe, onde ele mais se sentir diferente dos outros, e sempre o mais longe possível. Ele deve se persuadir de que o mundo é um deserto no qual estará sempre sozinho, e essa persuasão deve se tornar nele um sentimento habitual. Assim como as paredes de um quarto estreitam o campo de visão, que só se amplia diante da natureza, a sociedade estreita meu espírito, e somente a solidão lhe descortina o espaço […]” (apud BOSSERT, Adolphe. INTRODUÇÃO A SCHOPENHAUER, p.262, 2012, Contraponto Editora.
    Abraços, André

  2. Oi Paulo,
    Ainda não. Não tive resposta de nenhuma editora.
    Com a vinda da Amazon para o Brasil, estou pensando seriamente em me autopublicar, até porque acho que nenhuma editora publicará meus livros sem desejar suprimir e modificar alguns trechos.
    Escrevi algumas novas histórias e um diálogo, estilo teatral, que combina Beckett, Platão, Nelson Rodrigues, Nietzsche e Schopenhauer. Se tiver curiosidade envio para você. Abraços, André.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *