Crítica à decisão do STF sobre a anencefalia

10 de maio de 2005

A recente decisão do STF que pretendeu desautorizar o abortamento em caso de anencefalia é criticável sob vários aspectos. Desde logo, porque o vetusto Código Penal de 1940 o autoriza em situações bem menos extremas e menos legítimas, como no caso de gravidez resultante de estupro, inclusive estupro com violência presumida, que nada mais é do que um namoro envolvendo “vítima” menor de 14 anos. Digo menos legítima, primeiro, porque está permitido independentemente das condições do nascituro; segundo, porque este não tem culpa alguma de ter sido gerado a partir de um ato de violência; terceiro, porque num tal caso importa, unicamente, a vontade/interesse da vítima do crime. Ora, muito mais legítima e razoável é a autorização da cirurgia diante de laudo médico que certifique ausência/deformidade de cérebro.

Também pela absoluta inconveniência da proibição legal do aborto, pois é evidente que ninguém deixa de praticá-lo pelo só fato de ser crime um tal comportamento, não tendo as disposições jurídico-penais relevância alguma no processo motivacional de formação da vontade de abortar; sendo muito mais importante, no particular, razões de ordem moral, religiosa, as condições econômico-financeiras da mulher etc. Ademais, o direito – “capítulo da anatomia política” (Foucault) – não pode pretender ser um apêndice da moral, especialmente num Estado laico, confundindo crime e pecado, como se ainda vigesse entre nós o Livro V das Ordenações Filipinas (1603/1830). Nesse caso específico, portanto, não admitir a cirurgia significa penalizar quem, ao invés de se dirigir a uma das muitas clínicas especializadas em aborto, optou por atuar de acordo com a lei.

Além disso, por ser rotineira a prática do aborto entre nós, sendo certo que só em casos muito excepcionais há efetiva intervenção do sistema penal, sobretudo quando envolve mulheres miseráveis, as quais, por não poderem freqüentar uma clínica que lhes dê um mínimo de segurança para tanto, recorrem aos mais primitivos métodos (água sanitária, arame, drogas etc.). O tipo legal de crime e, pois, as decisões judiciais que o legitimam, servem, assim, para criar uma só impressão – e uma falsa impressão – de segurança jurídica e de real proteção à vida. Trata-se, portanto, de uma intervenção puramente simbólica e grandemente hipócrita.

Não há duvida de que o ato de abortar é uma violência (contra o feto e contra a mulher mesma); proibi-lo e castigá-lo jurídico-penalmente é, porém, uma outra violência que se lhe acrescenta desnecessariamente, inutilmente. Mas quem há de decidir sobre isso – decisão não raro dramática e penosa – é a mulher, e não o Estado ou seus representantes, que não estão de modo algum sensibilizados com a “verdade existencial”, mas com a “verdade processual”. Quisesse o Estado realmente proteger a vida, útil e legitimamente, muito faria se, suprindo histórica omissão, desse prioridade a políticas sociais de prevenção de atos semelhantes, dirigidas, sobretudo, às mulheres pobres, para que não precisassem apelar a essa violência, mas se tivessem de fazê-lo, que o fizessem com um mínimo de segurança. Urge, enfim, trabalhar com o máximo de políticas sociais e com o mínimo de direito penal.

Finalmente, sentido algum faz dizer que “o tribunal não pode reescrever o Código Penal”, pois interpretar é argumentar, corretamente, num sistema aberto (Arthur Kaufmann), de modo que, concorrendo sempre várias possibilidades de interpretação correta do texto/contexto, haverá de prevalecer a interpretação menos irracional e mais fraterna, mais compatível, enfim, como os valores e princípios da Constituição. O juiz é o legislador no caso concreto!

A decisão do STF só reflete então quão reacionárias são certas decisões judiciais, a demonstrar o enorme distanciamento entre o Judiciário (de ontem) e a realidade do Brasil (de hoje).

311 Comentários

  1. o stf deve procurar representar o país nas decisões na esfera de sua competência sem intenção de se “apresentar ” pois já tem seu espaço e atribuições sem a necessidade de se auto promover.

  2. international development work related; cheap air flight wfvzu; cheap airline ticket >:-[[[; cheap las vegas airline tickets hrh; cheap plane tickets =]]; london airfares >:-((;

  3. ; international auto insurance opzs; instant life insurance ctctx; term insurance rate 3677; health insurance ca xkce; homeowners insurance shelter island vxout; whole life insurance quote 867; nj auto insurance mljoet; auto insurance coverage 8180; insurance online 80023; masshealth insurance =[; free health insurance wabqig; country wide insurance hhnp; life of georgia insurance ahqhkw; group insurance >:PPP; juvenile life insurance 53922;

  4. brant-4D59806C@fireden.netperry-4D59806C@fireden.netThere are definitely plenty of details like that to take into consideration. That could be a great point to carry up. I supply the thoughts above as basic inspiration however clearly there are questions just like the one you convey up the place the most important factor might be working in trustworthy good faith. I don?t know if greatest practices have emerged round things like that, however I’m positive that your job is clearly identified as a fair game. Each girls and boys feel the impact of only a moment’s pleasure, for the rest of their lives.

  5. lol a handful of of the observations readers enter are so silly, many times i ponder whether they in actual fact read the articles or reviews and content before writing a comment or whether or not they only read over the title of the blog post and type the first idea that drifts into their heads. in any case, it really is good to read smart commentary from time to time instead of the identical, outdated blog vomit which i mainly discover on the internet adios

  6. i may not have supposed this had been useful just a few years ago nevertheless it’s crazy how time adjusts the manner in which you have an understanding of numerous creative concepts, thank you regarding the post it is good to browse through some thing intelligent once in a while instead of the regular trash mascarading as blogs and forums on the net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *